O tão esperado início da Ligier European Series 2021

BMA Group participa na Barcelona Heat 2021

BMA Group participa na Barcelona Heat 2021

O tão esperado início da Ligier European Series 2021 realizou-se em Barcelona, nos dias 16 e 17 de Abril. Mathieu Martins atuou de forma mágica ao volante do #24 Orhés Racing JS2 R, patrocinado pela BMA Group.

Em 2021, a Ligier European Series divide-se em seis “Heats”, ao longo dos melhores circuitos da Europa. A Heat 1 da temporada realizou-se em Barcelona, nos dias 16 e 17 de Abril, onde Mathieu Martins se apresentou a conduzir o #24 Orhés Racing JS2 R, patrocinado pela BMA Group.

De forma geral, o #24 Orhés Racing JS2 R teve um desempenho bastante positivo e encorajador, conquistando um duplo pódio: 3º lugar na primeira corrida e 2º lugar na segunda corrida.

Com um forte espírito de “nunca desistir”, Mathieu Martins já se está a preparar para a Heat 2 na Áustria – Pista Red Bull Ring. De seguida, as próximas rondas terão lugar em Le Castellet, Monza e Spa-Francorchamps, terminando o campeonato em Portimão nos dias 22 e 23 de Outubro.

Na BMA Group, estamos todos bastante orgulhosos e a vibrar com cada corrida e conquista do #24 Orhés Racing JS2 R, aguardando especialmente as corridas que se irão realizar “junto” a nós em França & Portugal!

Race
Race
Race
Race
Race
Race

Vida Imobiliária – Tem o espaço para escritório a ver com tendências?

vidaimo

Tem o espaço para escritório a ver com tendências?

Quando recuamos e olhamos em perspectiva, verificamos que acima de tudo trata-se de negócio e design. E, a BMA Group, empresa especializada em Design & Construção de Espaços de Escritório, com mais de 15 anos de experiência, presente em Paris e Lisboa, tem isso muito claro.

A pandemia forçou-nos a trabalhar de forma diferente e a usar tecnologia de novas maneiras. Mudámos a forma como vemos o local de trabalho e entendemos melhor a necessidade de sermos intencionais sobre os locais onde trabalhamos. Vivemos num mundo interconectado e dependemos da nossa capacidade criativa para impulsionar a inovação.  Existem muitas discuções sobre como será o futuro do trabalho. Tendencialmente costumam ser uma distração e ocorrem num oceano de ideas vagas, diluídas por informações genéricas usadas para apoiar esses conceitos.

A tecnologia tem evoluído muito rapidamente e tem-nos permitido uma maior personalização individual apesar de muitos ainda buscarem soluções padronizadas que tendem a falhar no reconhecimento do que é realmente importante e único em cada organização. Não há retorno. Muitos dos conceitos para projetar espaços de escritório mudaram, em alguns casos de forma bastante dramática. Na definição de um novo local de trabalho, o processo de design típico apenas arranha a superfície. Para ser eficaz, o local de trabalho precisa de ser personalizado. Uma solução padronizada trata potencialmente poucos benefícios no atual cenário competitivo.

É necessário foco nos indivíduos e nas equipas, não na pluralidade geral. Mas aplicar um conceito de outra organização, anula completamente a intenção do conceito. Com isso em mente, o espaço de escritório torna-se agora uma ferramenta estratégica e tática para atingir objetivos. Deixa de ser tão genérico e torna-se um ambiente que sustenta todas as funções e interações necessárias para um bom desempenho. Projetar espaços para apoiar as pessoas, fornecer uma ótima experiência e criar ambientes de trabalho saudáveis são agora apenas o pré-requisito mínimo básico. O local de trabalho é sobre negócios. Devemos permanecer focados na verdadeira razão da sua existência: o propósito, as pessoas e todas as grandes coisas que se reúnem para tornar cada organização um sucesso único. Por tudo isso, o Planeamento de Espaços, o Design de Interiores e a forma mais eficiente e sustentável de realizar Obras de Fit-out tem ganho uma forte relevância nos espaços de escritórios.

vidaimo

Focus PME, Entrevista da BMA Group

Com os nossos queridos convidados entrevistados por Vincent Touraine: 🎙️:

🌟, Micael Costa CEO da BMA Group Paris
🌟, Antoine Aranda CEO da ObjetRama
🌟, CEO Lionel Grotto oda Agence Choose Paris Region Ced, Cedric HELIAS Chief Operating Officer, FBD Group
🌟, Marc-Noël FAUVEL CEO da Skills4All – Spécialiste du elearning certifiant
🌟, Thierry KUNTZ CEO da ataWay – Management

E aqui estão os temas que sobressaíram: #amenagement #objet #iledefrance #cuisine #elearning #management
MEDIAS FRANCE Florence Bardin Elodie Kerdraon Maude MEGTERT Simon Lefevre Mélanie Cogné Clara Clément Thomas Varacher Valentin Legrand

Stephanie ASSOUMAN

Design & Build Workplace Magic
Design & Build

Fazer para os outros também faz parte do nosso ADN, BMA Group Publi-Editorial

« Fazer para os outros também faz parte do nosso ADN »

Fotografia de Capa: andar-modelo Themis – © BMA Group

Agilidade, acompanhamento, sob medida: três palavras-chave que incorporam o ADN da BMA Group, um dos principais especialistas em Design & Construção de espaços de escritório, em Île-de-France.

Dominando tanto no design como na execução, a BMA Group partilha a sua agenda entre financiadores e utilizadores. Uma entrevista a duas vozes com Micael Costa, cofundador, e António Moura, Diretor-Geral.

Como definir a filosofia da BMA Group?

Micael Costa : Pela agilidade, flexibilidade e maturidade. Originalmente, a BMA Group era dotada de um ADN puramente de empreiteiro geral. Depois, com o passar do tempo e com o decorrer dos projetos, o nosso posicionamento evoluiu em direção ao mercado de Design & Construção de espaços de escritório. Hoje, a BMA Group reivindica claramente esta marca de fábrica híbrida. De tal forma que por vezes nos encontramos a trabalhar para arquitetos apenas na gestão da obra. O nosso ADN é também fazer para os outros. A cultura de parceria e de trabalhar em conjunto faz parte dos nossos valores e do nosso ADN e assim ganhamos visibilidade e valor acrescentado.

Antonio Moura : Nós devemos demonstrar que nos incluímos em toda a escala da renovação de escritórios, com capacidade para gerir tanto pequenos processos de 100 m2 como projetos com mais de 10.000 m2, sempre com a mesma atenção e com a mesma exigência de qualidade/preço. Empreiteiro geral, mas também contratante geral e promotor, a BMA Group trabalha tanto com proprietários como com inquilinos, graças às suas três grandes áreas: arquitetura de interiores & design, obras & controlo e mobiliário & carpintaria sob medida.

Qual será o objetivo de 2020 para a BMA Group?

MC : Com 35 colaboradores em todos os domínios de conceção/realização e faturação de 26 M€, a BMA Group fará um bom ano 2020 apesar das consequências da crise sanitária. No final de fevereiro, já tínhamos agendado cerca de 60% das encomendas para 2020. A nossa ambição é de permanecer especialista com um tamanho coerente.

AM : Mantemo-nos de cabeça fria e sabemos que o acompanhamento dos nossos clientes – independentemente do seu tamanho – é a chave do nosso sucesso. 14 anos após a sua criação, a BMA Group pode decididamente afirmar que já foi atingida uma certa maturidade. Face a este período complexo que agora se inicia, a BMA Group está internamente preparada para fazer face aos desafios de amanhã.

Acabam de integrar a vossa própria fábrica na vossa oferta de serviços. Porquê e sobretudo por qual motivo?

MC : A integração da nossa própria fábrica localizada em Portugal constitui um tijolo suplementar ao acompanhamento dos nossos clientes e ao serviço sob medida. Isto também nos diferencia no nosso ambiente de negócio, visto que somos a única empresa a integrar internamente uma estrutura de mobiliário e carpintaria sob medida. Tal como o Fablab e o showroom, esta fábrica é também um laboratório da nossa reflexão sobre a matéria e os materiais, nomeadamente o Krion através de um acordo com um parceiro de dimensão internacional (comparável ao Corian), um material quente ao toque e semelhante à pedra natural com características particulares exclusivas: inexistência de poros, propriedades antibacterianas sem qualquer tipo de aditivo, durabilidade, resistência, dureza, facilidade de reparação, manutenção mínima e limpeza fácil.

AM : Com a fábrica de produção, podemos legitimamente dizer que a BMA Group fecha o ciclo. Isto permite-nos posicionar-nos no mobiliário e carpintaria sob medida, em linha com os novos métodos de trabalho atuais e o desejo de identidade forte nas novas renovações, mantendo sempre a preocupação da melhor qualidade ao melhor preço.

 BMA Group: um saber-fazer comprovado

Através das suas realizações, a BMA Group demonstra todo o seu conhecimento a nível de execução de obras ou de conceção e implementação de espaços de trabalho. Uma larga gama de competências ao serviço de proprietários, de inquilinos e de arquitetos.

Citizen (Bois-Colombes): objetivo reposicionamento
Sede da Coface (que saiu do espaço após renegociações de arrendamento) comprada pela JP Morgan foi objeto de um reposicionamento conduzido pela Kardham e pela B&C France, a quem foram adicionados os serviços da BMA Group no domínio da obra. Foram executadas obras tanto na superfície do escritório, como na requalificação dos espaços comuns (hall de entrada, cafeteria, …).

Eqwater (Issy-les-Moulineaux): missão revalorização
Repensar 5.000 m2 de escritório num imóvel propriedade da alemã Deka: foi esta a missão confiada à BMA Group em colaboração com Saguez & Partners na conceção arquitetural.

Themis (Paris 17e): rumo ao andar-modelo
A realização e conceção de andares-modelo é uma das especialidades históricas da BMA Group. Para este conjunto propriedade da seguradora AG2R La Mondiale, a BMA Group “atacou” um espaço de coworking num bairro novo, próximo do TGI Paris.

Sede da Colonna Group no edifício New Time (Neuilly-sur-Seine) conceção total: No coração de île de la Jatte, o imóvel New Time oferece espaços de escritório luminosos e funcionais no meio da natureza. Contratada pelo utilizador Colonna Group, a BMA Group conseguiu um mercado que engloba a conceção de espaços no quadro de um reposicionamento estratégico do cliente, o mobiliário e a carpintaria num ambiente tecnicamente constrangido, mas fascinante. Photo : © BMA Group
Mais sobre
Post Covid

Layout dos escritórios pós-Covid: uma evolução… não uma revolução!

Opinião

Desde o primeiro confinamento, a previsão do mundo dos escritórios acredita que, depois da crise do Covid, “nada será como antes”.
Por António Moura, Diretor-Geral da BMA Group Paris

An announced revolution should be put into perspective since the current situation only accelerates trends that are already perceptible. More than ever, offices need to reflect the company, its values and DNA, mainly through their layout. This means they will have to integrate the new health dimension while respecting the essential drivers of cost and identity needs, now more than ever.

Uma anunciada revolução deve ser colocada em perspetiva, uma vez que a atual situação apenas vem acelerar tendências que já são visíveis. Mais do que nunca, os escritórios devem ser uma reflexão da empresa, dos seus valores e do seu ADN, principalmente através do layout. Isto significa que terão de integrar a nova dimensão da saúde, respeitando ao mesmo tempo os determinantes essenciais de custos e necessidades de identidade, agora mais do que nunca.

Distanciamento, reposicionamento e readaptação
Inicialmente, e no curto prazo, isto envolve a reorganização e o reajustamento daquilo que já existe, apesar da introdução do teletrabalho. Prevalecem três critérios: distanciamento, reposicionamento e readaptação do mobiliário atual e de soluções de divisão-proteção, tais como divisórias transparentes que permitirão assegurar a continuidade da comunicação.

De seguida, é necessário considerar a mudança mais profunda dos métodos de trabalho, que já foi iniciada e está agora a acelerar. O open space dos anos 2000, tão pouco apreciado, está a avançar em direção a uma nova configuração. Por exemplo, a introdução de armários em substituição dos pequenos móveis de arquivo, permitindo a separação dos colaboradores em grupos de dois ou quatro, a opção por elementos móveis que melhoram as condições acústicas ou a separação do open space por áreas comuns ou salas de reunião. Finalmente, a tendência dos compartimentos “para uma só pessoa”, distribuídos à volta do open space, servindo como salas de reunião privadas também está a crescer.

A noção de espaços fechados, que não são mais os escritórios individuais tradicionais, ainda tem o seu lugar nas configurações atuais. Pode ser uma questão de criar um espaço específico partilhado por determinado departamento, respeitando sempre o distanciamento com mobiliário específico.
Adicionalmente, novos métodos de trabalho têm-se vindo a desenvolver recentemente, tal como o escritório-flexível – um conceito que pode incluir diferentes formas. Nestas circunstâncias, o projetista propõe a desmaterialização do posto de trabalho, favorecendo os escritórios com diferentes formas de acomodação, de forma a evacuar a ansiedade que a ausência de um local fixo pode causar. Também podem ser criados espaços de trabalho “projeto”, onde os colaboradores podem ligar o seu computador autonomamente. Existe geralmente um espaço dinâmico que promove o convívio entre os colaboradores. No entanto, é de reforçar que o escritório-flexível requer um elevado suporte de gestão: é necessário explicar às equipas como funciona a nova configuração (qual o propósito dos diferentes espaços, como se deve trabalhar nos mesmos, com que conetividade…) de forma a assegurar os colaboradores que, apesar de perderem alguns dos seus indicadores, devem criar outros.

Multiusos graças ao digital

Por outro lado, a “partilha da secretária”, normalmente destinada à população nómada, permitirá a redução do número de posições para metade, resultando numa excelente gestão da rotação da equipa. O espaço livre poderá ser dedicado à socialização ou a locais isolados, onde os colaboradores poderão fazer chamadas de forma tranquila. Também nestas situações os armários substituem os pequenos móveis de arquivo.

Último elemento: a contribuição do digital, que já era uma tendência, é uma ferramenta essencial na gestão de recursos imobiliários (postos de trabalho, salas de reunião, espaços de convívio, parques de estacionamento, etc) e possibilita a otimização do uso dos espaços através de um sistema de reserva. O digital também favorece a multifuncionalidade dos espaços, por exemplo a cafeteria transforma-se numa sala de reunião informal, sendo a sala de reunião tradicional utilizada cada vez menos. De uma forma geral, o digital é uma ferramenta de maximização com a possibilidade de se instalarem sensores para verificar e gerir os colaboradores que estão fisicamente no escritório.

Em suma, a crise associada à pandemia Covid-19 está a mudar a vida do escritório de duas formas diferentes: em primeiro lugar, socialmente uma vez que é no escritório que os colaboradores vão recuperar a coesão pós-pandemia, em segundo lugar, economicamente devido às novas disposições que irão melhorar a eficiência e a produtividade, mantendo sempre em mente que a resposta standard deixou completamente de ser uma opção.

Saber mais