Divisórias em vidro em espaços corporativos

Divisórias em vidro em espaços corporativos … Estética ou Funcionalidade

O seu brilho, resistência, fácil limpeza, higiene, transparência e enorme capacidade de responder a diversos formatos são algumas das características que definem estas divisórias, que transportam consigo grandes benefícios na sua utilização.

As paredes divisórias em vidro têm sido um elemento cada vez mais utilizado em construções e reabilitações, quer pela sua versatilidade, quer pelo caráter modernista que projetam nos ambientes, elas podem responder a usos completamente polivalentes e distintos, convencendo e solucionando as presentes condicionantes arquitetónicas.

Em escritórios tem sido uma boa estratégia, permitindo que todos os espaços recebam luz natural e atribuindo um caráter amplo e leve ao espaço, atribuindo também um aspeto confortável e acolhedor.

A intenção passa também por ampliar o espaço e o vidro possui essa característica de provocar a sensação de transparência que, por sua vez, fornece a sensação de continuidade e leveza.

Relatório CBRE: Real Estate Strategy Reset

A pandemia Covid-19 alterou o paradigma da ocupação de escritórios e, consequentemente, os requisitos que os líderes de imobiliário corporativo devem considerar aquando a avaliação das decisões de negócio a longo e curto-prazo. Um novo estudo de mercado realizado pela CBRE explora as abordagens que irão guiar as prioridades e os resultados estratégicos para 2021 e além.

Os especialistas da CBRE destacam oito verdades fundamentais, divididas em quatro áreas principais – Talento, Localização, Ocupação e Design & Experiência – que irão guiar o futuro do trabalho.

No campo do Talento, a CBRE afirma que à medida que as equipas vão regressando ao escritório, o seu desejo por flexibilidade e liberdade de escolha irá originar novos comportamentos, especialmente na maneira como as pessoas se relacionam com o espaço do escritório e quando é que o decidem fazer (verdade 1). As futuras estratégias imobiliárias corporativas não se irão focar exclusivamente no trabalho remoto ou exclusivamente no trabalho no escritório. Na verdade, irão enfatizar a escolha do colaborador relativamente a experiências e ações que lhes permitirão obter um equilíbrio positivo entre a sua vida profissional e pessoal. Isto resultará numa utilização menor do escritório, no entanto não significa o seu fim. Pelo contrário, significa um novo começo que permitirá que as empresas repensem sobre o papel do escritório e a sua funcionalidade. Adicionalmente, a CBRE também afirma que o espaço de trabalho terá que ser reconsiderado de acordo com um estilo de trabalho híbrido e equipas mais distribuídas (verdade 2).

No que diz respeito ao campo da Localização, os especialistas da CBRE identificam que as estratégias de descentralização dos escritórios estão a emergir como uma ferramenta para apoiar os colaboradores atuais e atrair novos (verdade 3). Colaboradores sedeados no escritório escolherão espaços localizados nos centros urbanos quando necessitarem de interagir com colegas, num ambiente que lhes ofereça todas as comodidades e tecnologia necessária para a sua produtividade e colaboração com outros. Nas restantes ocasiões, tirarão vantagem de uma rede de diferentes localizações, especialmente aquelas que se situem mais próximo da sua casa. Consequentemente, a migração para localizações mais baratas e com melhor qualidade de vida irá continuar, sendo que em Portugal está muito bem posicionada (verdade 4).

Na área da Ocupação, o novo estudo de mercado da CBRE afirma que, mesmo num ambiente de incerteza, empresas com boas capacidades de planeamento ficarão à frente dos seus concorrentes, no atual mercado imobiliário (verdade 5). Adicionalmente, soluções de flexibilidade permitirão que as empresas adaptem facilmente as suas estratégias de utilização do espaço e, ao mesmo tempo, o sentimento dos colaboradores relativamente ao escritório flexível está a tornar-se cada vez mais positivo (verdade 6). De facto, muitas empresas estão já a utilizar os espaços de escritório flexíveis como parte integrante da sua estratégia corporativa, o que lhes permite a maximização dos seus compromissos de longo-prazo e, ao mesmo tempo, a minimização do risco de ter demasiado, ou pouco, espaço de escritório à medida que o número de colaboradores vai oscilando. A implementação de abordagens flexíveis permitirá que as empresas se mantenham ágeis em relação ao atual contexto económico e aos novos métodos de trabalho.

Por fim, no campo de Design & Experiência, o estudo da CBRE identifica o novo espaço de trabalho como um fator-chave para assegurar o bem-estar, a produtividade e o compromisso dos colaboradores, que estarão cada vez mais dispersos geograficamente (verdade 7). Assim, as empresas necessitarão de gerir a mudança e conduzir a inovação, para servir as necessidades de uma força de trabalho mais flexível, ao mesmo tempo apoiando o atingimento dos objetivos estratégicos. Isto significa o alinhamento entre design & experiência e os requisitos de uma força de trabalho flexível. Adicionalmente, as tecnologias digitais irão criar edifícios mais inteligentes e eficientes e, ao mesmo tempo, melhorar a experiência dos colaboradores, principalmente através da criação de espaços de trabalho mais saudáveis e seguros (verdade 8). Consequentemente, a medição, monitorização e visualização de informação sobre saúde e segurança é um fator crucial a considerar no momento de regresso ao escritório. Algumas aplicações digitais que permitem, por exemplo, o agendamento de rastreios de saúde, a marcação de espaços ou experiências sem contacto, estão a crescer em relevância e sofisticação, passando a ser consideradas uma parte essencial da experiência do colaborador.

Em conclusão, o relatório da CBRE reforça que as contribuições do imobiliário comercial para os resultados estratégicos do negócio, serão mais do que nunca evidentes e essenciais.

News Hi Lisboa

Mais Magia em Lisboa para todos os tipos de Escritório!

Não foram os tempos de pandemia que amedrontaram a BMA Group Paris em continuar a desenhar e construir espaços de trabalho mágicos de uma forma mágica, agora em Lisboa.
Após aproximadamente um ano de avaliação de mercado e preparação da empresa para garantir desde o primeiro dia a confiança que já é conhecida em Paris, uma cidade das maiores referências europeias no mercado de escritórios, onde conta já com 15 anos de experiência e mais de 4.000 projetos executados, a empresa abriu as suas portas em Portugal no final do mês de Dezembro!

“Estamos orgulhosos por apresentar a todos a BMA Group Lisboa principalmente num momento tão inesperado como este, revelador de uma forte ambição e crença no mercado dos Escritórios, em Lisboa!”, refere Hugo Braz, Managing Partner da empresa. “Na realidade, a pandemia acabou por reconfirmar a importância de existir na cidade uma empresa totalmente especialista em Design & Construção de Espaços de Escritórios. Como empreiteiro geral que domina toda a Cadeia de Desenvolvimento somos capazes de integrar todos os serviços para oferecer uma solução chave-na-mão.”

Atenta às mudanças e evolução dos métodos de trabalho nas empresas, a BMA Group está focada em encontrar as melhores soluções de acordo com as necessidades dos diferentes tipos de parceiros, ao preço certo. A empresa de capitais portugueses irá centrar a sua atuação no desenvolvimento das melhores soluções sustentáveis e inovadoras, nomeadamente em termos de Consultoria de Fit-Out, Estratégia para o Espaço de Trabalho, Planeamento de Espaços, Design de Interiores, Obras de Fit-Out e Soluções de Mobiliário.

Tendo superado a meta de 25 Mio € de Volume de Negócios em 2019, a ambição da BMA Group continua a ser o de fortalecer a satisfação dos seus clientes e das suas pessoas, solidificando as suas principais vantagens: Um Ponto de Contacto, Compreensão das Necessidades, Planeamento Preciso, Design Adequado, Orçamento Apropriado e Soluções Personalizadas.

“Desde o inquilino ao senhorio, queremos continuar a projetar e construir locais de trabalho mágicos de uma forma mágica, agora em Lisboa!”, refere Hugo Braz. “As expetativas não podiam ser mais positivas pois temos a oportunidade de ter já em curso 3 projetos, o que nos deixa a todos na empresa muito contentes.”

Para alguns Comunicados de Imprensa: